LGSA apoia Projeto de Avaliação de Dispersão Atmosférica inédito no país

Com a proposta de desenvolver um novo modelo computacional, de simulação dinâmica e em tempo real, da dispersão de poluentes na atmosfera por parte de uma fonte emissora fixa (termelétrica) em uma região próxima à costa, o Projeto de Avaliação de Dispersão Atmosférica trouxe à Linhares uma equipe de professores pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e da Universidade Federal de Santa Maria (RS) juntamente com seus alunos da graduação, mestrado e doutorado.

O trabalho, financiado pela Linhares Geração, durou um período de 60 meses. “O resultado foi o desenvolvimento de um software que utiliza uma metodologia de análise dinâmica da dispersão de poluentes, obtida

a partir de um denso estudo dos reais impactos ambientais eventualmente causados pela usina, bem como da caracterização detalhada do micro-clima em regiões costeiras de todo o hemisfério sul – uma pesquisa inédita até então”, destaca o gerente de planejamento operacional da LGSA, Carlos Sena. O gerente conta ainda que, por conta da sua importância, o estudo foi muito bem recebido em congressos, seminários e publicações internacionais. 

Sena esclarece também que o investimento em Pesquisa e Desenvolvimento é uma obrigação regulatória estabelecida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) para os agentes concessionários e autorizados do setor elétrico. “No caso da LGSA, 0,4% da receita operacional líquida anual da empresa deve ser investido em projetos próprios de pesquisa coordenados pela instituição, enquanto que outros  0,6% desse montante são recolhidos à Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e ao Ministério de Minas e Energia (MME) para fomento de pesquisa de interesse governamental e financiamento de instituições e autarquias federais, tais como a Empresa de Pesquisa e Energia (EPE).”, explicou o gerente da termelétrica de Linhares.

Para viabilizar a caracterização do micro-clima costeiro, a equipe de pesquisadores implantou uma torre meteorológica com 140 metros de altura e 7 níveis de medição, o que, até então, nunca tinha sido realizado no país nesta altura e nível de detalhe. Carlos Sena explica ainda que, além disso, para a validação do modelo computacional criado, foram instaladas 2 estações de monitoramento da qualidade do ar atmosférico. Tais estações são decorrente de condicionante ambiental, exigência do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IEMA) à Usina Termelétrica Luiz Oscar Rodrigues de Melo.

A partir dos resultados desse projeto, a Linhares Geração S.A. espera ter contribuído para o aprofundamento do conhecimento ambiental dos reais impactos causados por uma termelétrica no micro-clima de seu entorno, possibilitando aos órgãos ambientais de controle e regulação uma atuação mais efetiva e direcionada à mitigação de tais efeitos, evitando, com isso, inviabilizar ou onerar indevidamente os empreendimentos.

 

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Este site não coleta cookies e usa dados pessoais de acordo com o nosso Aviso de Privacidade . Para mais informações, consulte AQUI. Ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.